20 de agosto de 2017

Probiótico pode ajudar na Alergia ao leite de vaca

Uma nova pesquisa na Universidade de Nápoles Federico II de Roberto Berni Canani e sua equipe mostrou que crianças com alergia ao leite de vaca, que são alimentadas com fórmula que contém a proteína de leite caseína, suplementada com probiótico de bactérias da espécie Lactobacillus rhamnosus GG (LGG), desenvolvem tolerância para o leite de vaca em taxas mais elevadas do que as tratadas com uma fórmula não-probiótica.

Mas o que isso quer dizer?
Primeiro, o termo PRObiótico deriva do grego e significa "pró-vida", sendo o antônimo de antibiótico, que significa "contra a vida". PRObiótico foi definido inicialmente como: organismos vivos que quando ingeridos exercem efeito benéfico no balanço da flora bacteriana intestinal da pessoa que os consumiu. Existem algumas diversas marcas farmacêuticas que comercializam Probióticos que não contém leite de vaca e que estão sendo indicados por médicos para ajudar na imunidade dos pacientes com alergia alimentar.

Porque?
Os probióticos são bactérias benéficas que melhoram a saúde do intestino facilitando a digestão e a absorção de nutrientes.
Assim, o consumo regular de alimentos probióticos ajuda o funcionamento intestinal e ainda fortalece o sistema imune, ajudando a prevenir doenças.

Novas evidências sugerem que as influências ambientais modernas, incluindo o uso de antibióticos generalizado, alto teor de gordura, dietas deficientes em fibra, redução da exposição às doenças infecciosas e alimentação com fórmulas têm alterado a relação mutuamente benéfica entre os seres humanos e as bactérias que vivem em nosso trato gastrointestinal.

E qual a vantagem?
As pesquisas estão mostrando um caminho para novos tratamentos que podem ajudar as pessoas com alergia a melhorarem o seu sistema imunológico e consecutivamente atingirem a tolerância ao leite de vaca..

“A capacidade de identificar estirpes bacterianas que poderiam ser usadas como novas terapias para o tratamento de alergias alimentares é um avanço fundamental”, disse Jack Gilbert, PhD, professor associado do Departamento de Ecologia e Evolução, da Universidade de Chicago, líder do grupo de ecologia microbiana no Laboratório Nacional Argonne e coautor do estudo. “Traduzir esses achados em tratamentos clínicos é o nosso próximo objetivo, agora possível através do novo centro FARE Clinical Network aqui, na Universidade de Chicago.”

Fonte: Saude Curiosa

9 de agosto de 2017

Abaixo assinado Batavo Naturis sem leite de vaca

As pessoas com Alergia ao leite de vaca podem se unir para mostrar à empresa de laticínios Batavo, fabricante dos produtos de soja Batavo Naturis, que somos um mercado consumidor significativo.

Segundo Dra Ariana Yang, especialista em Alergia do Hospital das Clínicas:
"A estimativa é que hoje no Brasil nós tenhamos em torno de 350 mil crianças com alergia a leite de vaca"
Fonte: Fantástico

Isto significa um mercado enorme de pessoas que gostariam de consumir os produtos da Batavo, se eles forem livres das proteínas do leite de vaca, e seus traços.
São mães em dieta, crianças de todas as idades.


Colabore e assine o nosso Abaixo assinado aqui:
http://www.peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=batavosemleitedevaca

7 de agosto de 2017

Batavo muda produção da linha Naturis

Esta semana fiquei triste em saber que o SAC da Batavo informou que agora os produtos da linha Naturis compartilham o mesmo maquinário que os produtos que contém leite de vaca, impossibilitando o consumo para  quem tem alergia às proteínas do leite de vaca.

Segue aqui a resposta do SAC enviado para uma de nossas amigas:

Olá, Natalia, tudo bem? Os produtos da linha Batavo​ Naturis ​são feitos com base vegetal e não possuem leite ou ingredientes derivados do leite em sua composição. Após uma reorganização em nossa linha de produção, a linha Batavo Naturis passou a ser produzida em equipamentos que também processam produtos derivados de leite. Atendendo às normas governamentais, passamos a informar no rótulo a descrição “pode conter leite”. Reforçamos aqui nossa preocupação com o bem-estar de todos os consumidores e o compromisso com as melhores práticas industriais para levar alimentos de qualidade para a mesa de milhões de brasileiros, nosso maior patrimônio.

3 de agosto de 2017

Informações sobre Anafilaxia.

Indicações de uso de Adrenalina auto-injetável de acordo com ASCIA (Australasian Society of Clinical Immunology and Allergy)
A adrenalina auto-injetável é a droga de escolha para as crises de anafilaxia em ambiente não hospitalar. Seringas pré-preenchidas não são recomendáveis, a não ser em situações excepcionais, por vários motivos, entre os quais:
• Risco de contaminação
• Medo de agulhas o que inibe o uso quando necessário.
• Maior risco de acidentes
• Data de validade exígua
A adrenalina auto-injetável está indicada, de Acordo com a ASCIA, nas seguintes situações:
• História de anafilaxia com o paciente permanecendo sob risco continuado de novos episódios. Ou seja, sempre que o paciente tiver tido anafilaxia por um desencadeante conhecido ou não (anafilaxias idiopáticas) e cujo desencadeante possa voltar a dar a mesma reação.
Anafilaxia alimentar (excluindo-se síndrome da alergia oral), especialmente se o paciente apresenta sintomas de asma associados.
• Pacientes com anafilaxia a insetos , especialmente os que apresentam mastocitose.
Deve-se considerar as seguintes situações :
• Idade do paciente: Apesar de mais frequente até os 5 anos, a maioria das reações fatais por anafilaxia alimentar se dá em adolescentes e adultos jovens, provavelmente pela dificuldade que pessoas dessa faixa etária têm de evitar antígenos alimentares quando estão fora de casa, longe da supervisão direta de seus pais.
• Alergias alimentares: Alguns alimentos, como amendoim, leite de vaca, camarão e frutos do mar e castanhas são mais propensos a levarem à alergia persistente e quantidades muito pequenas podem desencadear quadros graves de anafilaxia. A maioria das fatalidades que ocorre com alergia alimentar são justamente com alimentos que não são tolerados até a adolescência e idade adulta.
• Local onde vive o paciente: dependendo das circunstâncias, é mais ou menos difícil se evitar um desencadeante. Por exemplo, anafilaxia por inseto em quem reside em zonas rurais. Seguramente esses pacientes têm indicação precípua de usar adrenalina auto-injetável.
• Co-morbidades: pessoas com asma, doenças cardiocirculatórias e mastocitose são mais propensas a desenvolverem quadros graves de anafilaxia, especialmente se a mesma não for imediatamente tratada.
• Dificuldade no acesso a serviços de emergência: quanto mais difícil o acesso, maior a necessidade de se ter a adrenalina auto-injetável
Nas situações abaixo geralmente não há indicação de se prescrever adrenalina auto injetável. Entretanto, deve-se sempre considerar caso a caso:
• Asma grave sem anafilaxia associada
• Se o alérgeno pode ser seguramente afastado, como em casos de anafilaxia a medicamentos e a látex (dependendo do caso, sempre é bom lembrar!)
• Síndrome de alergia oral
• Altos índices de IgE sérica sem reatividade clínica
• História de anafilaxia na família, sem história pessoal
• Reação grande local a insetos
• Rush cutâneo e/ou angioedema isolados
• História de anafilaxia alimentar no passado e já resolvida presentemente.


1 de agosto de 2017

Viajando com alérgico; Porto de Galinhas

Porto de Galinhas é uma cidade com lindas praias perto de Recife- PE.
Como fizemos algumas cidades do Nordeste, Natal, João Pessoa, Porto de Galinhas e Pipa, alugamos um carro, o que facilitou os nossos passeios.

Ficamos hospedados no Resort Ancorar, que é um condomínio de apartamentos em geral com 2 quarto, banheiro, cozinha e infraestrutura de lazer. Ótimo para quem precisa preparar café, refeições ou um lanche.
Uma pena que não se pode entrar no mar em frente ao condomínio, lá há uma forte corrente que puxa os nadadores e há várias placas sinalizando a proibição.


A cidade tem alguns supermercados de porte médio, bem organizados e até pão de forma sem leite encontrei!
Julho é uma época de instabilidade no tempo, quando estávamos lá, choveu mais do que gostaríamos, mas pudemos conhecer a cidade.

O centro de Porto de Galinhas é pequeno, mas charmoso, com muitas lojinhas e restaurantes.
Não foi fácil encontrar um restaurante que atendesse ao pedido de não ter leite de vaca ou traços deles, a maioria já tem produtos prontos, ou muitos produtos com leite na sua cozinha, mas o Restaurante Maná logo na entrada do centrinho foi ótimo, a comida era caseira e atendimento atencioso.

Um local que nos fascinou foi a sorveteria Frutos de Goiás, também no centro. Lá é possível encontrar uma enorme quantidade de sorvetes à base de água, preparados em maquinário separado, de diversos sabores. O favorito da minha filha foi o de AMORA.

No centro também se fica a praia atração, onde na maré baixa é possível ver o corais, na beira da praia há muitas barracas que local cadeiras e guarda-sóis para curtir o dia, mas achamos muito cheia para o nosso gosto.

Nossa praia preferida foi a de Macaraípe, a pouca distância do centro, mas sossegada e onde pudemos entrar no mar.
Passamos o dia no Restaurante Estrela do Mar, que tem cadeiras e guarda-sol na areia e parte coberta para a hora do almoço, ou no nosso caso, em caso de chuva repentina.
A comida é simples, mas foram atenciosos à alergia ao leite de vaca como solicitamos.

Próximo ao restaurante Estrela do Mar, desemboca um rio, onde é possível ver cavalos marinhos e outras espécies de animais no mangue. Um passeio muito interessante para quem tem crianças curiosas como as minhas.

Passeio interessante para as crianças foi o Projeto Hipocampus, que abriga várias espécies de animais locais, incluindo Cavalos Marinhos.

Esta viajem faz parte das nossas férias de Julho 2017 no Nordeste.

26 de julho de 2017

Entenda Alergia com a ASBAI

Dados atualizados apontam que 1 em cada 20 crianças tem alergia ás proteínas do leite de vaca (APLV).
Precisamos estar melhores informados sobre este assunto.
Assista o esclarecedor vídeo criado pela ASBAI e a Danone Nutrição Especializada:

http://www.asbai.org.br/secao.asp?id=1117&s=51

11 de julho de 2017

Viajando com o alérgico: Nordeste Brasileiro

Época de férias, viajar é preciso.
Este ano decidimos fazer uma viajem prolongada pelo Nordeste Brasileiro.
Pegamos um avião da Gol em Congonhas direto para Natal - RN, lá alugamos um carro e fomos para João Pessoa -PB, Porto de Galinhas -PE e Pipa -RN.

Primeiro de tudo: Planejamento.
Vôo - Sempre que viajo de avião eu levo diversos lanches e medicamentos à mão, mais dicas aqui, não esqueço também de levar uma receita médica e alguns exames falando sobre a alergia da minha filha.
Nesta viajem a agradável surpresa foi que a empresa GOL agora tem algumas opções de snacks sem leite de vaca que minha filha curtiu.

Estadia - Eu prefiro ficar em Flats ou apartamentos que tenham cozinha, assim podemos tomar café da manhã e fazer alguma outra refeição.
Para isso uso o Airbnb, o Alugue temporada ou o Booking

Remédios - Sempre levo meu kit com remédios que podem ser necessários, incluindo para dor de barriga, febre, dor, antialérgico, etc.

Outros- Cartão do alérgico, planos de restaurantes onde irei, locais para visitar, etc.

Eu já fiz um post completo sobre os preparativos que faço antes de viajar... leia tudo aqui.

Aos poucos vou fazer post sobre todas as cidades visitadas, inclusive indicando restaurantes.


14 de junho de 2017

Produtos sem leite Fleischmann

Uma amiga recebeu a informação do SAC da marca Fleischmann sobre os produtos deles que NÃO contém Leite de Vaca na composição.


Lista de produtos sem leite na composição:
Amido de Milho
Aroma de Abacaxi
Aroma de Morango
Aroma de Baunilha
Aroma de Coco
Chocolate em pó
Fermento Químico
Fermento Biológico Seco
Fermento Biológico Fresco
Gelatina sem Sabor
Gelatina Regular
Gelatina Zero
Mistura para Bolo de Chocolate
Mistura para Bolo de Choco menta
Mistura para Bolo de Cappuccino
Mistura para Bolo de Choco mousse
Mistura para Bolo de Pão de Mel
Mistura para Bolo de Brownie/Petit Gâteau


Permanecemos à disposição pelo 0800 704 1931, de segunda a sexta, das 8 às 18 horas.
Serviço de Atendimento ao Consumidor Fleischmann (sac)

24 de maio de 2017

Diagnóstico: Como chegar a uma conclusão?

Uma das maiores dúvidas de quem tem alergia é como fechar um diagnóstico.

O melhor caminho a seguir é procurar um especialista (médico alergista) que irá avaliar um histórico clínico, entre eles sintomas, reações, exames em geral, crescimento, ganho ou perda de peso, etc. Este médico poderá pedir alguns exames complementares como RAST, Pick test, etc.

Mas o que são estes testes? Para que servem?

A principal utilidade destes testes é confirmar suspeitas, ajudar na orientação após análise do histórico. Teste positivo não quer dizer que você tem alergia, ele simplesmente quer dizer que você é sensível à aquele alergeno.
Veja aqui os principais tipos de teste:

RAST: exame de sangue que pesquisa a presença de anticorpos IgE (responsáveis pela alergia) para o alérgeno suspeito de desencadear alergia. Feito em laboratório através de coleta e análise sanguínea.

Teste cutâneo ou Prick test: É um teste realizado na superfície da pele usando alergenos suspeitos. Se após 20 minutos houver a aparição de pápulas (bolinhas vermelhas) no local mostra que houve reação alérgica na pele da pessoa, indicando que esta pessoa tem anticorpo IgE para este alérgeno.
Pode ser feito em consultório, desde que eles estejam preparados para reações que algumas vezes são graves.

Segundo Dra Ariana Yang, mestre em chefe do departamento de alergia do Hospital das Clínicas em SP:
"Prick test: teste simples, avalia sensibilização IgE, pode ser utilizado somente na avaliação de alergias IgE mediadas.
Não tem utilidade diagnóstica nas manifestações alérgicas com sintomas tardios, como ocorre nos sintomas gastrointestinais persistentes.
A técnica é a mesma no mundo todo, e não pode ser realizado fora do consultório ou hospital, onde tenham medicações e equipamentos para tratamento de eventual reação alérgica. A escolha dos alérgenos a serem testados depende da história clínica, o teste não prevê alergia, apenas reforça os dados da história."
Na página dela do Facebook ela postou um video sobre este teste:
https://www.facebook.com/ariana.yang.33/videos/1059586334141305/

 
Leia mais sobre testes de alergia: Testes

19 de maio de 2017

Entenda o que é Anafilaxia

Dra Ariana Yang fez um video explicando o que é Anafilaxia com bastante detalhamento.

Aprenda aqui com com ela:


Semana de Conscientização da Alergia Alimentar: de 15 a 20 de Maio 2017

Modelo de Plano de Emergência

Percebendo que a maioria das pessoas tem dificuldade em montar um plano de emergência de alergia eu montei um modelo em pdf.

Você pode baixá-lo aqui. http://pdfsr.com/pdf/plano-de-acao-alergia


Como eu já havia sugerido anteriormente. segue uma sugestão para preenchimento:

Para começar identifique todos os sintomas que acontecem quando o alérgico entra em contato com o que lhe faz mal (alergeno).
Liste os medicamentos e quantidades que devem ser administradas.

Com estas informações você tem de colocar no papel:
1- Identificação: Nome completo do paciente, idade, RG, se tem plano de saúde.

2- Qual o alimento que ele/a tem alergia.
Ex. Alergia às proteínas do leite de vaca (leite, iogurte, manteiga, margarina, pães, bolos, etc)

3- Descreva como se pode identificar que a pessoa está tendo uma reação alérgica, quais são os sintomas.
Ex: Fulano tosse, começa a coçar a língua, coça o corpo, sente falta de ar, etc...

4- Descreva como deve ser a medicação.
Ex: Tal remédio: 5ml via oral; Tal remédio com espaçador 1 vez; tal remédio... etc.

5- Adicione telefones de contato, do médico, do responsável, de um amigo.

Peça ajuda para o seu médico, é ele quem deverá lhe ajudar com os medicamentos.

Semana de Conscientização sobre Alergia Alimentar: 14 a 20 de Maio 2017

Brinque com segurança

Crianças alérgicas são como qualquer outra, só querem brincar e serem felizes.
Não há necessidade de tratá-las de maneira diferente.
Para incluir uma criança com alergia alimentar ao grupo basta alguns pequenos cuidados na hora de comer:
- Nunca ofereça qualquer alimento sem que o responsável desta criança tenha conhecimento,
- Lave as mãos após comer, ou manipular os alimentos,
- Aja com naturalidade, crianças gostam de brincar mais do que de comer.


Semana de conscientização sobre alergia alimentar; de 14 à 20 de Maio 2017.

18 de maio de 2017

Semana de Conscientização de Alergia Alimentar

Alergia alimentar ainda é um mistério para muitas pessoas.
Ter uma semana onde se fala sobre o assunto é um importante passo para que tenhamos a conscientização de todos.


De 14 a 20 de Maio 2017 é a Semana de Conscientização de Alergia Alimentar

Veja agora um vídeo falando sobre o diagnóstico de Alergia Alimentar com a Dra Ariana Yang, especialista no assunto.


18 de março de 2017

Inclusão escolar

Uma dos maiores desafios de quem tem alergia alimentar é ser incluído socialmente.
Porque?
A sociedade desde os nossos primórdios vive em torno de comida. Preste atenção, qual a reunião que não tem um petisco, um lanche, uma bebida?
Por não poder todos os alimentos o alérgico fica naturalmente afastado do grupo, tem dificuldade de ser incluído, a maioria das pessoas ainda não conseguem compreender porque ele não pode isso ou aquilo, muitas vezes olham com desconfiança.
Agora imagine no ambiente escolar....

A Lei Federal numero 12.982 que diz que é dever das escolas incluírem as crianças, para que elas possam focar no estudo.
Na minha experiência quando há pessoas de mente aberta e receptivas a mudanças temos possibilidade de uma grande parceria, adaptar-se é natural do ser humano.

O programa Bem Estar fez uma matéria a respeito deste desafio, que se abraçado pela escola pode ser facilmente superado.
Veja o clip completo aqui:
https://globoplay.globo.com/v/5728651/





12 de fevereiro de 2017

Medicamentos: Lactose escondida

As crianças crescem, a minha filha com 12 anos e 1,64 de altura já está entrando na fase de trocar os medicamentos líquidos, em xarope por comprimidos, que além de terem dose maiores também são mais fáceis de carregar em kits de emergência.

Qual o novo desafio?
Fazer estas substituições encontrando remédios que não tenham LACTOSE.
Isso mesmo, a maioria dos comprimidos tem lactose, o açúcar do leite de vaca que gera traços, como componente de anti-histamínicos, anti-alérgicos, e outros milhares de remédios que ela possa precisar tomar.

Hoje tentei encontrar um substituto para o Hixizine Xarope. Todos os genéricos que encontrei à venda online tem lactose em sua fórmula e o original da Theraskin não é exato se o açúcar utilizado na sua fórmula é lactose ou outro açúcar diferente. Lá vou eu entrar em contato com o fabricante.
E assim também com a Simeticona, que por falta do xarope aqui em casa quase dei para minha filha. O da marca Medley contém Lactose.
E para meu desespero também está sendo assim com a Desloratadina e até com o famoso Desalex que tanto me ajuda em sua forma Xarope.

Resumindo, vou precisar marcar uma consulta com o especialista só para readequar os remédios que usamos a tantos anos sem o risco de ter lactose neles.
Por isso muito cuidado na compra de qualquer remédio, se tiver Lactose, tem leite de vaca e qualquer traço faz mala para quem tem alergia às proteínas do leite de vaca.

10 de fevereiro de 2017

Proibindo alérgicos de voar

Há uma recorrente proibição de pessoas com alergia à amendoins, nozes, castanhas em geral a embarcarem em voos em diversas companhias aéreas nos USA.
 Em uma reportagem recente do site uol eles relatam diversos casos onde o passageiro alérgico e sua família foram impedidos de embarcar ou retirados de vôos quando informaram que uma das pessoas tinha anafilaxia (forma grave de alergia) à nozes.


Em uma das histórias a empresa American Airlines, que tem uma das maiores frotas de avião do mundo, pegou uma família já havia se sentado no avião e pediram para que eles se retirassem pois um dos filhos era anafilático à amendoim. As malas já haviam sito retiradas.
Não se importaram que a família havia feito planos de férias, que havia pagado hotel, etc, não se preocuparam com qualquer dificuldade que pudessem ter, simplesmente os ejetaram no avião.

Em outra, a empresa Lufthansa obrigou uma família a desembarcar no meio da volta para Nova Iorque vindo da Itália. E pra piorar os atendentes de terra ficaram fazendo piadas sobre alergia, e eles ficaram horas até conseguir um voo de volta.

Onde está o respeito? A solidariedade? Onde está o direito de ir e vir?

Pessoas com alergia não escolheram ser assim, e 90% das que tem possibilidade de choque anafilático carrega consigo caneta de adrenalina o tempo todo, kit de medicação e faz uma detalhada programação para poder viajar.
Este tipo de comportamento quebra a esperança de uma criança, de qualquer pessoa... fiquei muito triste e chocada com esta notícia.

A reportagem está muito boa, merece ser lida: AQUI.

E vamos fazer barulho, movimentar as redes sociais, o mundo precisa aceitar que é muito fácil colaborar com os alérgicos. Retirar amendoim do cardápio de 1 voo é muito mais acolhedor do que tirar uma família.

7 de fevereiro de 2017

Cartão do alergico em Português

O melhor tratamento para um alérgico é ficar longe do que lhe causa sintomas.
Saber quais são os nomes que podem aparecer em um rótulo ajuda muito, afinal a indústria pode ser muito criativa.
Atualmente com rótulos mais claros aqui no Brasil, fica mais fácil visualizar, mas mesmo assim prefiro que minha filha tenha sempre em mãos um cartão com os principais nomes de ingredientes que correspondem ao leite de vaca.
Eu fiz uma lista em forma de cartão, imprimi, e plastifiquei e sempre que necessário a consultamos.

Se você quiser tê-la clique aqui.

Faça um bom proveito.

3 de fevereiro de 2017

Leite de vaca o alimento

Hoje lá na nossa página do Facebook me vi defendendo o leite de vaca como alimento.
Como assim? _você deve estar pensando.

Vou elaborar.
Aqui em casa nós raramente consumimos alimentos com leite de vaca, já que minha filha de 12 anos tem alergia às proteínas do leite de vaca desde os 7 meses de idade, e é anafilática. Então por segurança para ela, excluímos o leite da nossa dieta.
Mas eu não acredito na linha de pensadores que dizem que o homem é o único animal que continua a consumir leite depois de adulto, e pra piorar de outro animal. E que isso faz mal à saúde.
Revista Saúde #412 de Janeiro de 2017
Somos diferentes dos outros animais em diversos aspectos: lemos, escrevemos, cozinhamos, fazemos arte, estudamos... não há justificativa para nos compararmos à bezerros que não mamam depois de crescer.

Porque?
Eu acredito na linha de pensamento dos pesquisadores que diz que o leite de vaca fez com que os homens da antiguidade sobrevivessem, do leite se faziam queijos e outros derivados que ajudaram os seres humanos a sobreviver em épocas de escasses, e assim permitiram a evolução humana.

Pesquisas atuais também comprovam que o leite de vaca tem proteínas e nutrientes que fazem uma diferença positiva na alimentação humana.


Na revista Saúde número 412 de Janeiro de 2017 há uma reportagem interessante sobre este assunto.

O leite pode não ser saudável pra minha filha, para os alérgicos, e para os intolerântes à lactose, mas isto não o faz o vilão de todas as histórias.

#prontofalei

17 de janeiro de 2017

Receita: Cocada Quebra queixo

Receita de sucesso aqui em casa é a cocada quebra-queixo. Fácil de preparar e deliciosa de comer.
Vamos então ao que interessa.

Ingredientes:

500g de coco fresco ralado,
500g de açúcar,
100ml água,
1limão (suco),
+100ml de água para finalizar.

Preparo.
Esprema o suco de 1 limão, despeje em uma panela e acrescente os 100ml de água, o açúcar e misture até dissolver. Então adicione o coco ralado e leve ao fogo baixo e deixe cozinhar até a cocada começar a secar.
Aos poucos ela vai começar a ficar amarronzada, mexa com frequência neste momento para que ela não queime no fundo.
Quando ela atingir a tonalidade de caramelo desligue o fogo e despeje os 100ml de água e misture bem.
Para finalizar a coloque em um refratário e espere esfriar.
Ela pode ficar fora da geladeira e dura aproximadamente 3 dias, se não comerem tudo antes...

11 de janeiro de 2017

Viajando com Alergico: Orlando Turkey Leg

Existem algumas coisas que são típicas de certos lugares.
Na cidade de Orlando nos estados Unidos, a Turkey Leg, uma grande perna de peru assada e defumada
e servida à moda dos Flintstones, é um ícone.

Quando fomos em Fevereiro de 2015, minha filha experimentou no parque Hollywood Studios que pertence à Disney. Foi fantástico poder comê-lo e não continha leite ou traços dele.

Então quando fomos em Julho de 2016, encontramos a Turkey Leg nos parques da Universal e em Disney Springs, mas lá ela é feita na manteiga, não sendo possível comer.

A nossa salvação foi no parque Gatorland, onde a atração principal são os crocodilos. Lá encontramos a Turkey Leg sem leite, derivados ou traços servida com um lindo sorriso e muita ajuda da atendente que nos mostrou até o rótulo.

O melhor de tudo é poder ser incluído, comer como os outros realmente não tem preço.

10 de janeiro de 2017

Viajando com o alergico: Orlando 2016 - Wetn Wild

Férias de verão pra mim são as melhores. Sempre que posso viajo para lugares onde esteja quente.
Então viajar para Orlando no mês de Julho foi uma opção acertada.
A cidade tem temperaturas em torno dos 30 graus Celcius, o que propicia a visita aos parques aquáticos.

Escolhemos visitar o Wet'n Wild, um dos parques aquáticos mais antigos de Orlando, que pertencia ao grupo da Universal e encerrou suas atividades em 31/12/2016 para dar lugar ao novo parque que a Universal está construindo.

Como eu sempre digo, é fundamental pesquisar, se organizar e estar preparado para ter um dia feliz com quem tem alergia. Acostumada a frequentar os parques da Universal e nunca ter problemas em entrar com alimentos no parque, organizei uma lancheira farta de sanduíches, biscoitos, salgadinhos para suprir minhas duas filhas no longo período que passaríamos no parque.

Infelizmente não fui muito feliz.
A equipe do parque tinha uma política rígida de permitir que entrassem no máximo 2 sanduíches por pessoa com alergia, mais alguns biscoitos. Eu tentei de tudo, nem mesmo o gerente vendo receitas e ouvindo a minha explicação de que passaríamos mais de 9 horas dentro do parque, e de que nenhuma das lanchonetes servia comidas livres de leite de vaca, fez com que ele permitisse a entrada de mais sanduíches.

Isso mesmo, dentro do parque não haviam opções seguras para um alérgico ao leite de vaca comer. Exceto batatas fritas em saquinhos... nada saudável.
Eles se justificavam dizendo que era possível sair e retornar ao parque, dando assim outras opções para os clientes, mas quem consegue convencer uma criança de 11 anos a sair do parque onde está se divertindo pra comer??

Como fomos 3 vezes ao parque, eu aprendi a lição e me organizei de forma em que pudesse entrar sem problemas e no final deu tudo certo.
O parque tinha muitos brinquedos legais e nós nos divertimos muitoooo.

Acredito que no novo parque aquático da Universal haverão mais opções e será mais organizado, já que nos parques de diversão da Universal há uma grande melhoria no atendimento para os alérgicos.

4 de janeiro de 2017

Promo Minha LacFreebox

Ano novo vida nova, certo?
Para trazer algumas mudanças e inovações para o se dia a dia, faça como nós e adquira a caixa mensal da  Lacfreebox que tem a opção de trazer todos os produtos dentro da caixa sem leite de vaca, derivados ou traço.
A vantagem? Amplia os nossos horizontes, conhecemos produtos novos e ficamos felizes sempre que uma caixa nova chega pelo correio cheia de surpresas boas.

Para novos assinantes eles estão nos oferecendo um desconto de 15% para quem utilizar o código ALERGIALEITEDEVACA na hora da compra. Aproveita e tenha a #minhalacfreebox você também.

No nosso Instagram temos postado os produtos que vieram nas caixas passadas, e neste outro post eu explico mais detalhes sobre a caixa.

Acredito que você vai gostar também.

Instagram Alergialeitedevaca

@alergialeitedevacaAgora temos um Instagram exclusivo para o nosso site.
Visite o aplicativo Instagram e nos procure @alergialeitedevaca para ver as nossas dicas do dia a dia.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...