14 de janeiro de 2020

Dessensibilização: Entenda melhor como é feito

Desenvolvido pela Dra Ariana Yang, especialista em alergia do Hospital das Clínicas de São Paulo, o tratamento de alergia conhecido como dessensibilização tem levado uma sensível melhora na qualidade de vida de muitos brasileiros.

Os pacientes recebem doses graduais dos produtos que provocam o sistema imunológico até criarem resistência total a eles. Sucesso da dessensibilização alimentar levou a terapia a outros cantos do país e rende uma lista de espera de cerca de um ano e meio nos setores públicos.

O tratamento consiste em 12 a 15 sessões de imunoterapia oral,  quando são ministradas doses crescentes de um extrato do agente causador da alergia.
Inicialmente, é pesquisado um histórico clínico com exames que possam garantir que o paciente permanece alérgico. “Alguns alérgicos estão sob restrição há tanto tempo, às vezes desde bebê, que a alergia até sarou e a pessoa não percebeu”, explica Yang.
Com a confirmação, um teste alérgico cutâneo busca a concentração tolerada do alimento.
A partir desse limiar, é produzido o extrato diluído do alérgeno, e a concentração dele vai aumentando a cada sessão até que o paciente aceite a quantidade total.
“A maioria tem reação durante o tratamento, mesmo quando, de tão diluído o alérgeno, a pessoa está quase tomando água. Por isso é muito importante não fazer esse processo sem o acompanhamento médico”, alerta Yang.
A alergologista também ressalta que o tratamento somente é indicado para pacientes com mais de 5 anos de idade e que tiveram o diagnóstico da alergia persistente, chamada de IgE. Esse tipo mais grave refere-se a reações danosas, algumas vezes fatais, causadas pelo sistema imunológico. O critério é extremamente importante porque alergias a alimentos comuns tendem a ser predominantes nos primeiros meses de vida. Com o passar dos meses, no máximo anos, o próprio corpo desenvolve a tolerância necessária.

Fonte: Saúde Plena uai
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...